Ferroviários da MRS paralisam atividades em Lafaiete

em Região por

Funcionários da MRS logística em Conselheiro Lafaiete aderiram ao movimento de greve da categoria. Nesta segunda feira (19/01), segundo o sindicato dos ferroviários, o sistema de transporte no quadrilátero ferrífero está paralisado.  O movimento grevista começou por volta das cinco da manhã com a adesão de maquinistas e auxiliares em decorrência da falta de acordo com os patrões. Os funcionários propuseram à companhia uma pauta de negociação, mas não receberam da MRS resposta a nenhum dos itens reivindicados.

Conforme o presidente do Sindicato dos trabalhadores em Transporte Ferroviário (Sintef), Víctor Pena Rezende (foto), a partir
do próximo dia 26, a empresa planeja implantar uma nova jornada de trabalho com escalas que aumentam o período de serviço dos maquinistas e auxiliares e põe em risco a saúde, a segurança e a empregabilidade destes profissionais. Vítor Pena afirmou que a intenção dos trabalhadores é prosseguir a paralisação até que tenham assegurado o direito aos intervalos de 22 horas de descanso a cada jornada e à folga de 56 horas. Está marcada para as três e meia da tarde desta segunda-feira uma audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho, em Belo horizonte, e a orientação repassada pelas lideranças da categoria é pela manutenção da greve por tempo indeterminado caso as reivindicações não sejam contempladas.

Conforme o líder sindical, por conta da abrangência da paralisação, o tráfego de trens está interrompido desde a região metropolitana de Belo Horizonte até à cidade de Bom Jardim de Minas, comprometendo a circulação de 38% do Produto Interno Bruto Brasileiro. O trecho concentra, ainda segundo Víctor Pena, 90% do volume de produtos siderúrgicos e minério de ferro transportado pela MRS Logística, correspondente a 500 toneladas ao dia.

Alerta

O presidente do Sintef, em entrevista à primeira edição do Jornal Falado Carijós, aproveitou para fazer um grave alerta aos moradores às margens da linha férrea operada pela MRS Logística. Segundo Víctor Pena, para não sofrer prejuízos financeiros ainda maiores por causa da paralisação dos maquinistas e auxiliares, a companhia estaria utilizando a mão-de-obra de pessoas não habilitadas para a condução dos trens, colocando em risco a integridade física de transeuntes e das comunidades vizinhas à estrada de ferro.

 

Com informações de Gina Costa

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*