PAPO DE MÚSICO . . . ” Que tiro foi esse???”

em Colunistas Por

Pra mim, foi apenas mais um, longe ainda de ser o tiro de misericórdia pra acabar de vez com qualquer esperança de que nossa música renasça da estupidez. E a estupidez, Einstein também, mesmo sem conhecer essas nossas “músicas de sucesso”, confirmou não ter limites.
Esse tiro foi apenas mais um a ecoar no universo de máscaras musicais que domina o atual cenário da MPB. A ostentação supre qualquer quesito básico, como melodia, letra, afinação, bom gosto, coerência e, até ao fundamento da Arte, a beleza, que mesmo que na simplicidade, sublima.
“Quem gostou faz barulho aê!” é o lema q inclui o cidadão no gosto mediano e o leva ao não questionamento imposto pela moda. Você não tem opção de gostar ou não do que se toca e obrigatoriamente se ouve. Se é músico e quer sobreviver, tem que tocar o sucesso; se é ouvinte e quer ter vida social, tem que ouvi-lo. Optar por música de qualidade deixou de ser o que naturalmente deveria ocorrer no processo seletivo onde os filtros do bom gosto e do conhecimento determinam o que será sucesso, excluindo o imprestável. Desacostumados e deseducados da boa música, os nossos ouvidos manifestam-se apenas em postagens nas redes sociais, porém não sustentam a tese na prática do dia a dia.
AS INSTITUIÇÕES PÚBLICAS, EM TODAS SUAS ESFERAS, DEIXAM DE PROMOVER A MÚSICA EM FORMA DE ENTRETENIMENTO E FAZEM O EXATO CONTRÁRIO; PROMOVEM DIVERSÃO E CIRCO EM FORMA DE MÚSICA. Hoje ela é apenas alegoria sonora pra fomentar bebedeiras e baladas. Nas “festas” de nossas cidades de interior, dependendo do infortúnio da localização, caso não participemos da dita cuja, passamos as horas do descanso noturno ou de finais de semana trancafiados em casa ouvindo ou escutando obrigatoriamente o que de pior pode haver como fundo musical. Até porque a cultura do “aumenta o som” garante que isso chegue claro e terrivelmente cristalino até mesmo em nossos quartos onde o descanso e o sono são direitos de todos os que trabalham… e ainda pagam pelos impostos que fomentam as tais festas e por isso deveriam ter sua privacidade respeitada. Talvez alguma coisa esteja sendo feita a respeito, como a lei que diz coibir o volume abusivo do som automotivo, mas que na prática pouco resultado dá; ou então é revogada temporariamente para não comprometer o “sucesso” dos eventos.
Hoje ouve-se lixo pensando que é música; e o primeiro a sair perdendo com essa deturpação do conceito musical é o próprio músico, porque fica nivelado por baixo, no patamar do cantar apenas por saber a letra e do ser aceito quando se pratica o mais do mesmo na lei do quanto pior melhor.
Esse processo de empobrecimento musical vem de longa data, dos inícios dos anos 90, onde a indústria gananciosa descobriu que no mundo a preguiça do pensar facilitava o mercado milionário da música imposta apenas como descontração, diversão e barulho. A Era do sambanejo, do axé, dos bondes do funk, dos galãs “sertanejos”, dos astros do luxo religioso, do funk putano, dos gritos das patroas resolvendo todos os seus problemas na terapia de 50 reais e dos DJs e MCs milionários, heróis de um cotidiano miserável, consagra os ídolos da juventude sem acesso à formação musical em seu currículo escolar. Até a elite os adotou como tal; Anita é a inquestionável diva pop do nosso mundo. Não poderia ser de outra forma, porque no eito da vida somente colhe-se o que se semeia.
Confira que tiro foi esse na playlist de nossos carnavais, de nossas rádios e nos outdoors das “melhores” festas do país.
Por: Nilson Teodorico

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*