COLUNA ” PAPO DE MÚSICO” . . .A Era do Grito

em Colunistas/Destaques por

 

 

Elza Soares surgiu para a MPB com a mesma relevância que a diva negra do jazz Billie Holiday para a música americana; e dá pra fazer um paralelo de história de vida, talento e representatividade na música de seus países. A de lá tem reconhecimento maior, mas empatam em talento, sofrimento, verdade e estilo de canto forte, aberto e rouco .
Na minha infância tive a sorte de morar ao lado de uma cantora de ópera, a Dona Gisele, coincidentemente Giselle, que vendo meu interesse por música, falou-me de Billie. Pensei: diabeisso?? Eu ouvia apenas MPB e música caipira. Deu vontade de perguntar se cantava ela alguma moda do Tonico e Tinoco; certamente me responderia que era tão boa e autêntica quanto. E me colocou um vinil na vitrola fazendo-me aí apaixonar pelo gênero.
Mas, vamos à nossa Elza. Elza chegou pobre e mal vestida num programa de calouros, sofreu por isso chacota do apresentador e revidou na altura do seu talento que cantou mais alto, mesmo na sua simplicidade faminta. Disse que vinha de um “planeta chamado Fome” e que estava ali porque precisa de dinheiro. O ser sincero (tanto a carne quanto o verbo) anda em falta no momento… e não arrisco em dizer neste balcão que “essa semana ainda chega”. Não por inexistir, mas por não ser mais aceito no glamoroso cenário atual da nossa música pop, que em sua maioria não passa de chacota sonora uniformizada de cowboy.
Nela os artistas resumem-se às suas estampas; seu talento vem de apresentar um estereótipo caricato que necessariamente encaixa nos padrões de algum segmento social; suas canções vêm de produtores intocáveis e sua aceitação depende apenas de que as melodias frágeis “grudem” por osmose em nossos ouvidos maltratados de sobreviventes de um mundo barulhento.
Difícil conceber e aceitar outras Elzas então. Mas seu estilo de voz rasgada, rouca e trêmula hoje é perseguido na tentativa do cantar das novas divas. Escutei acidentalmente uma meia dúzia dessas beldades de sucesso e me veio a certeza de que o negócio é por aí mesmo: irreverência, força, energia, ímpeto… Lembraram-me Elzas made in China. A garra de um canto aberto e gritado contagia e contamina mais facilmente do que os belos sussurros das Claudettes e Naras, lógico. Até porque vivemos a Era do Grito. Não dos belos gritos dela e de Janis Joplin! porque aqueles eram gritos de garra de que usavam pra fazer muito bem feita sua arte.
Na Era do Grito, o que mais vale é o volume. Ele está acima de qualquer sutileza de técnica e beleza vocal. “Sabe” cantar aquele que simplesmente saiba a letra ou mais grita, aquele que mais prolonga o famoso “galopeeeeeeeeeeeeraaaa”… mesmo que depois caia deitado. Este é o novo conceito do canto. A cultura do “aumenta o som!” onde está necessariamente associada às bebidas e às conversas gritadas nos ambientes de “música ao vivo”, mesmo que ali ela esteja morta. Ela serve apenas quando convida à dança e ao requebro dos glúteos; porque o ouvido humano desceu e mudou de lugar, musical e não anatomicamente.
Haja muito ouvido e pouca escuta pra suportar a Era do Grito, onde as Naiaras e suas rouquices dementes tiram sarro mental e fisicamente da insensibilidade humana adestrada para deixar de admirar o belo e preferir o ridículo do “sou feio mas tô na moda”.
Por: Nilson Teodorico

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*