Aécio Neves propõe que Lagoa Dourada seja capital nacional do rocambole

em Destaques/Região por

O deputado federal Aécio Neves (PSDB) apresentou um projeto de lei na Câmara para que o município de Lagoa Dourada, na região Central de Minas Gerais, seja considerada capital nacional do rocambole.

“Tal reconhecimento proporcionará maior visibilidade a essa importante manifestação cultural do município, o que impulsionará não só a permanência da tradição como também a economia e o turismo locais”, defende o parlamentar na justificativa do projeto.

Ainda no texto, o ex-governador de Minas conta a história da origem do rocambole e, entre as justificativas, cita a Festa do Rocambole e Mostra Cultural, realizada anualmente na cidade desde 2009, e o reconhecimento do modo de fazer o rocambole de Lagoa Dourada como Patrimônio Imaterial Municipal na sessão Ofícios e Modos de Fazer do Inventário do Patrimônio Artístico e Cultura (IPAC). Além disso, relembra que, em 2019, a Assembleia Legislativa de Minas Gerais já concedeu ao município o título de Capital Estadual do Rocambole.

Esse é o terceiro projeto de lei apresentado por mineiros desde o início deste ano na Câmara dos Deputados e que reivindicam títulos para cidades do Estado. Em fevereiro, o Delegado Marcelo Freitas (PSL/MG) apresentou dois textos parecidos. Um deles era para conceder o título de Capital Nacional da Carne de Sol à Mirabela, e outro para reconhecer Montes Claros, como a Capital Nacional do Pequi.

No último caso, o projeto causou polêmica porque o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), foi para as redes sociais dizer que já pediu para a bancada de seu Estado se mobilizar para barrar o texto porque o pequi também é tido como símbolo da gastronomia goiana. “Já vamos fazer um acordo aqui: a gente deixa o “trem” e o pão de queijo pra vocês mineiros, e em troca ninguém mexe no nosso pequi. Combinado?”, escreveu no Twitter.

História do rocambole

Na justificativa do projeto de lei para conferir à Lagoa Dourada o título de capital do rocambole, Aécio Neves conta a história da origem da iguaria na cidade “Há cerca de cem anos, graças às mãos habilidosas de Miguel Youssef, um descendente de libaneses, e de sua mulher, a lagoense Dolores de Mello, o pão de ló ganhou recheio de doce de leite, foi cuidadosamente enrolado e entrou para a história da gastronomia”.

Ainda segundo Aécio, citando o livro Lagoa Dourada 300 Anos – Síntese Histórica, de Dauro Buzatti, o bolo recheado era vendido apenas no bar do casal e acabou ficando famoso entre viajantes que passavam pelo município, que é passagem para quem visita Tiradentes e São João del-Rei. “Inicialmente vendido apenas no bar do casal, o rocambole de Lagoa Dourada, na década de 1960, foi descoberto pelos viajantes que passavam pela cidade, ficou famoso e ganhou o mundo”, diz no documento.

Hoje, conforme o deputado, “a cidade se destaca pela pecuária leiteira, pela produção de hortigranjeiros e pelo melhor rocambole do Brasil”.

Fonte: O tempo.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*