Lava-Jato: Polícia Federal faz operação em Lamim

em Destaques/Região por

28379020_895360780638442_6994220749229390648_nA cidade de Lamim amanheceu com a presença da Polícia Federal.

Várias viaturas e agentes estão na pacata cidade desde as primeiras horas desta quinta-feira, 1º de março. Policiais estiveram num escritório no centro da cidade e em uma Fazenda no município, pertencente ao empresário Átila Reis.

A Polícia Federal em conjunto com a Receita Federal, deflagrou na manhã de hoje a Operação Descarte, com o objetivo de desarticular esquema criminoso e profissionalizado voltado ao crime de lavagem de dinheiro, por meio do controle de uma rede formada por diversas empresas de fachada.

PF LamimPoliciais federais deram cumprimento a 15 mandados de busca e apreensão, em residências e empresas, nas cidades de São Paulo (9), Santos/SP (1), Paulínia/SP (1), Belo Horizonte (2) e Lamin/MG (2). Em Belo horizonte um dos alvos foi a  casa de Átila Reis.

De acordo com a investigação, as empresas participantes do esquema simulavam a venda de mercadorias ao cliente do “serviço” de lavagem, que então pagava por produtos inexistentes via transferências bancárias ou boletos (para dar aparência de legalidade à aquisição). As quantias recebidas eram transferidas para diversas empresas de fachada, que remetiam os valores para o exterior ou faziam transferências para pessoas ligadas ao cliente inicial.

A investigação revelou, ainda, que empresa concessionária de serviços públicos de limpeza no município de São Paulo, a maior cliente identificada, se valeu dos serviços ilícitos dessa rede profissionalizada de lavagem de dinheiro, tendo simulado a aquisição de detergentes, sacos de lixo, uniformes etc., entre os anos de 2012 e 2017. Assim, foram repassados mais de R$120 milhões para terceiros ainda não identificados.

Uma das células do esquema criminoso remeteu ilegalmente parte dos valores para o exterior, em favor de funcionário público argentino e em conluio com operadores financeiros que vieram a ser presos posteriormente no âmbito da Operação Lava Jato.  Além disso, o grupo adquiriu vários veículos de luxo, todos registrados em nome de interpostas pessoas (“laranjas”).

Com informações de Gina Costa

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*