Caso Rafaela Drumond: delegado faz acordo, paga R$ 2 mil e caso deve ser arquivado

em Cidade/Destaques por

Terminou com acordo a audiência preliminar do delegado Itamar Cláudio Neto, investigado no caso da morte da escrivã Rafaela Drumond. O policial civil firmou, nesta segunda-feira (27), um acordo com o Ministério Público e vai pagar uma multa de R$ 2 mil. Com isso, o caso deve ser arquivado pela Justiça.

A audiência aconteceu no fim da tarde, no Juizado Especial da Comarca de Carandaí. O valor deve ser encaminhado para o Centro de Convivência e Permanência para idosos de Carandaí. No sistema eletrônico da Justiça, o processo já aparece descrito como “homologada a transação penal” (encerramento do processo).

Com o acordo e o pagamento da multa, a acusação de condescendência criminosa contra o delegado Itamar Cláudio Netto deve ser arquivado. Condescendência criminosa é quando o chefe de uma repartição pública deixa de aplicar a punição legal para a infração de um funcionário ou não leva a questão ao conhecimento da autoridade competente. Esse crime é considerado de menor potencial ofensivo.

Relembre o caso
A escrivã Rafaela Drumond, de 31 anos, foi encontrada morta pelos pais no dia 9 de junho, na casa da família em um distrito de Antônio Carlos, no Campo das Vertentes. O caso foi registrado pela Polícia Civil como suicídio. O Sindicato dos Escrivães da Polícia Civil de Minas Gerais (Sindep-MG) afirma que a escrivã já havia denunciado assédio moral e sexual no trabalho, além de pressão e sobrecarga. O sindicato realizou um protesto de 6 horas de silêncio no dia 15 de junho.

Em entrevista à Itatiaia, o pai de Rafaela Drummond classificou a morte da filha como “o maior sofrimento que um homem pode sentir” e disse que percebeu que a filha estava mais “quieta e calada” nos meses anteriores, mas não entendeu isso como um “sinal” de que algo estava errado.

Apesar do caso ter sido registrado como suicídio, conversas e publicações da vítima nas redes sociais levam à suspeita de que ela estaria sofrendo assédio moral e sexual dentro da instituição, o que poderia ter levado ao suicídio. Essa suspeita também é investigada pela Polícia Civil.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*