SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SE MANIFESTA SOBRE POSSÍVEL CONTAMINAÇÃO DE ÁGUA EM CARANDAÍ

em Cidade/Destaques por

Resíduos de agrotóxico em água para consumo humano.
CONTEÚDO DA NOTA INFORMATIVA
NOTA DE ESCLARECIMENTO SES/MG — Estudo sobre a presença de resíduos de agrotóxicos em água para consumo humano
A recente veiculaçâo na mídia do estudo CoqueteI com 27 agrotóxicos que foi achado na água de 1 em cada 4 municípios” referiu-se a uma possível contaminação da água para consumo humano por resíduos de agrotóxicos, em todo o território brasileiro, provocando diversos questionamentos sobre o risco ao qual a população está exposta.
A publicação utilizou dados de controle (aqueles gerados pelo prestador do serviço de abastecimento) do Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (SISAGUA), referentes ao período de 2014 a 2017.
Conforme a norma de portabilidade brasileira, os prestadores de serviço de abastecimento de água devem realizar o monitoramento de 27 ingredientes ativos de agrotóxicos, com frequência semestral, nos pontos de captação (manancial); na saída da Estação de Tratamento de Água (ETA): e no sistema de distribuição ou pontos de consumo. Além disso, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SESM G) realiza, em parceria com a Fundação Ezequiel Dias (FUNED), o monitoramento de resíduos de agrotóxicos em água para consumo humano (água potável destinada a ingestão, preparação e produção de alimentos e à higiene pessoal, independentemente da sua origem), com periodicidade anual, nos municípios considerados prioritários, seguindo a diretriz elaborada pelo Ministério da Saúde denominada “Orientações Técnicas para o monitoramento de agrotóxicos na água para consumo humano”.
A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais esclarece que a análise dos dados do SISAGUA é realizada pelas áreas técnicas responsáveis na esfera estadual e municipal com base nos valores de referência deferidos na norma de potabilidade. Além dessa análise de rotina, a SES-MG tem trabalhado no aprimoramento e ampliação do Monitoramento de Agrotóxicos em Água para Consumo Humano bem como na qualificação dos dados inseridos no SISAGUA.
Quando encontrados valores acima do padrão de potabilidade, a vigilância em saúde das secretarias municipais deve notificar os prestadores de serviço de abastecimento de água para que tomem as providências de melhoria no tratamento da água. Caso a análise demonstre que o problema ocorre de forma sistemática, é preciso buscar soluções a partir da articulação com os demais setores envolvidos na bacia de contribuição, como órgãos de meio ambiente, prestadores de serviço e os produtores rurais.

Ressalta-se que a identificação de valores de resíduos de agrotóxicos na água para consumo humano acima dos máximos permitidos pela legislação deve ser interpretada com cautela. Segundo a norma de potabilidade brasileira, eventuais ocorrências de resultados acima do Valor Máximo Permitido (VMP) devem ser analisadas em conjunto com o histórico do controle de qualidade da água e as características da bacia de contribuição do manancial, e não de forma pontual. Portanto, o estudo “Coquetel com 27 agrotóxicos foi achado na água de 1 em cada 4 municípios” não pode ser considerado isoladamente para definir a qualidade da água para consumo humano nos municípios analisados.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*