COLUNA “TEMPO & PALAVRA” ACABOU O CARNAVAL

em Cidade/Destaques por

Tudo levar a crer que iniciemos agora o trabalho. Principalmente, na área pública. Afinal, o Governo Federal tem uma pauta imensa para ser discutida. Há ainda 13 milhões de desempregados no país.
Ninguém contesta que todas as coisas em nosso país devam e possam ser melhoradas – e só e sempre no sentido da felicidade e do bem-estar do maior número.
Essa melhoria, porém, não vem jamais por doação, decreto ou outorga de nenhum milagreiro. A geração que já era adulta durante as décadas de 40 e 50 sabe disto: sabe o que foi o marasmo, a lentidão do desenvolvimento econômico-social. Não podemos deixar de reconhecer que, embora no Estado Novo (1930/45), Getúlio Vargas criou o amparo legal ao trabalhador e a infraestrutura industrial do país.
Para que a Nação brasileira receba novos impulsos para o progresso social no sentido de benefício do maior número, não se pode alienar a liberdade. Todavia, a partir de 2000 o projeto de manutenção dessa liberdade tão necessária ao progresso esteve extremamente comprometido pela mentira dos governos, corrupção e desvirtuamento moral que a maioria da população não nega. A economia a partir de 2010 aprofundou o desajuste tenebroso das contas públicas e ao caos fiscal. Recessão e desemprego.
Mas falo e escrevo da liberdade que condiciona sem manietar, que orienta sem submeter, que abre caminho sem enquadrar os rebanhos.
Nesse ponto, há que se reconhecer que a nossa representação nos parlamentos tem sido inautêntica. E em assim sendo, há sempre o autoritarismo. A minha dúvida ainda persiste no Congresso, mesmo com renovação de pessoas, se não irá se organizar para o nefasto toma-lá-dá-cá.
Marx não previra todas as consequências universais da revolução industrial que ele supunha já ter cessado, quando ela mal ainda se desdobrava e se desenvolvia.
Vejamos: quando se pensava que a Constituição Federal de 1988 por si só iria trazer a liberdade, o progresso e o bem-estar do brasileiro foi o período que tivemos o maior índice de inflação e o início da corrupção endêmica no setor público. E mais: nos anos 70, na Europa, os países europeus já se deparavam com a Terceira Revolução Industrial e Tecnológica que iria impactar fortemente a Sociedade do Trabalho. No Brasil, apenas na década de 90, assim mesmo por parte dos produtores, percebeu-se que o paradigma taylorista/fordista de produção industrial estava superado pelas novas tecnologias. O Congresso Nacional, como um paquiderme, dormia sobre a questão tão importante. E o emprego industrial não volta no país em números extraordinários como anteriormente. Só a partir de 2018 começou a ser discutida uma reforma trabalhista, previdenciária e tributária. E agora o empreendedorismo é fundamental, com a educação, o apoio tributário e o microcrédito. O Brasil está numa encruzilhada: não há espaço mais para desenvolvimento e criação de novos postos de emprego como no passado por políticas populistas. O caos fiscal criado pela senhora Rousseff foi criminoso. Não se pode esconder essa verdade. A Reforma da Previdência é um grande quebra-cabeça. Ainda com os devedores da Previdência, que são muitos e com débitos vultosos, uma reforma será fundamental.
Como cristão católico, não vi jamais qualquer dos bispos da sacristia vermelha, assumir o púlpito para admitir que as classes beneficiadas pelas estruturas arcaicas, cumpriram o dever contribuindo pesadamente para a manutenção desse arcabouço – que parecia ainda sem alma – da Previdência Social e do SUS, por exemplo. A CNBB que apoiou o lulo-petismo vem agora clamar por Políticas Públicas? Os teóricos do pelego-sindicalismo marcharam até às manobras da tomada do poder e extinção das liberdades. Reformar agora para mim vem a ser criar o que não existia.
A última balela vem a ser a discussão de direita e esquerda no Brasil. Nenhuma polarização conduzirá a lugar nenhum. O que é preciso também que a Nação se guarde contra os oportuno-carreiristas, dos insultos, como os recentes, com que bolchevistas matreiros confundem os ingênuos, aterrorizam os medrosos e tumultuam a cena pública conspirando contra as liberdades.
O Brasil tem fome de futuro.

Antonio Carlos de Albuquerque

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*