COLUNA ” PAPO DE MÚSICO” ….MÚSICO AO VIVO

em Colunistas/Destaques por

Observo e comento, e a cada vez com mais convicção, que a mais sofrida vítima da música lixo, produzida e divulgada às toneladas, é o próprio músico.

Nivelada por baixo no patamar do medíocre que tende ao ridículo, nossa MPB de vanguarda imita a si própria e está cada vez mais uniforme. Segue interpretada com o mesmo sotaque, tocada com a mesma insensibilidade, regida pelo conceito de que qualquer um sabe ou pode cantar, e embalada pelo interesse único de vender mais cerveja. Os timbres e a pegada do violão são os mesmo e os acordes são parecidos; o canto é um esbravejar igual, a temática é sempre o besteirol costurado com filosofia de portas de banheiro e os intérpretes usam nomes estrategicamente parecidos.

Assim, o público e empresários que ouvem e contratam, perderam referências. Estão anestesiados pela igualdade. Para eles, o músico é apenas um intérprete do mais do mesmo, e assim deve ter sabor estupidamente parecido, já que o rótulo é o igual. Uma classe inteira de profissionais está prensada no mau gosto imposto ao senso comum e dele não pode fugir sob pena de não ter aceitação e assim não conseguir sobreviver de sua arte.

Sendo a música atual esse artigo vulgar e insosso, do músico é exigido que saiba e pratique no modo Miojo instantâneo todo e qualquer repertório. Porque sua individualidade, seu estilo, sua escola, sua vertente, suas influências e sensibilidade estão anulados automaticamente pela lei da igualdade. O grande público, aquele que realmente tem o poder de dar ao artista o sucesso profissional rendoso e gratificante, não detém mais os conceitos necessários para selecionar o bom e o honesto e descartar o ruim e o falso. Para ele, bombardeado pelo sucesso pastelão, fica difícil entender que o artista persegue o belo e teria maior realização caso pudesse fazer um trabalho verdadeiro, calcado no bom gosto e na Arte. Mas a mídia repete a música de mentira mil vezes para torná-la verdade, e assim vence pelo massacre.

E esse é o mesmo massacre com interesse puramente comercial e político com que as emissoras de rádio e TV aberta evitam notícias que não interessem aos anunciantes de sua grade. Assim manipulam, mentem por omissão, nos bombardeiam com detalhes que perdem o foco em poucos dias e depois caem no esquecimento, exploram a comoção popular no seu tempo devido, tudo com um nítido filtro que conduz à alienação.

Promovem-se os cantos que arranham ou até estupram os quesitos básicos da afinação, as letras que levam mensagens grosseiras e as melodias toscas e infantis, desde que tenham o ingrediente da estampa ou da ostentação de riqueza e arrogância.

Num tempo de inconsequências, a sociedade encanta-se pelo luxo e pela ousadia das bravatas onde o músico transformou-se então num porta voz do mau gosto. Ali perdeu sua identidade, e nessa máscara uniforme, perdeu também grande parte de seu valor e do respeito do público.
Nilson Teodorico

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*