Adolescente assassinada em Piranga lutou para não ser violentada

em Destaques/Região Por

KamilleForam divulgadas à imprensa nesta segunda-feira 19/02 as circunstâncias em que ocorreu a morte da adolescente Kamille de Oliveira Araújo (15 anos), assassinada em Piranga. O crime bárbaro provocou comoção e revolta na cidade.

autor crime Piranga

Odair confessou que matou Kamille

Imagens do circuito de vigilância de uma padaria registraram o momento em que Kamille seguia pela rua acompanhada por mais duas colegas de idades aproximadas à dela. Em dado momento, a garota entrou em um Fiat Uno próximo à descida de um morro no bairro Vila do Carmo. Tratava-se de um carro preto, com vidros escuros e rodas cromadas. Com base nestas imagens, os militares não tardaram a identificar o suspeito, proprietário de um Fiat Uno com as mesmas características do que apareceu na gravação. Inicialmente, Odair José Cirino Farias conhecido como Dadathy, negou envolvimento no assassinato, mas admitiu ter estado com Kamille na noite em que ela foi morta. Arranhões detectados no pescoço do suspeito reforçaram as desconfianças sobre sua implicação no crime, sugerindo que a vítima teria tentado se defender do assassino antes de ser morta. Não tendo justificativa convincente para explicar como havia se machucado, elefoi levado à sede do 1° Pelotão da Polícia Militar em Piranga para prestar esclarecimentos.

Ao ser informado de que sua imagem havia sido captada pela câmera de segurança, Odair admitiu que chamou Kamille para dar uma volta de carro, convite que, segundo ele, a menina aceitou de livre espontânea vontade. No entanto, dentro do veículo a adolescente se recusou a manter relações sexuais com ele. Após agredir a menina, Dadathy a asfixiou e levou o corpo para o Morro do Vicente, onde a deixou. Antes, porém, desferiu golpes de pedradas e pauladas contra a cabeça da vítima. O pedaço de pau e a pedra utilizados nos golpes foram posteriormente localizados e recolhidos por peritos da Polícia Civil.

Foi realizado o recolhimento do veículo Fiat Uno de cor azul, utilizado no crime, de propriedade do autor. O aparelho celular dele também foi recolhido, bem como as roupas que, segundo a sua esposa, ele usava na data do fato e havia lavado durante a madrugada, logo ao chegar em casa.

Com informações de Gina Costa

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*