"
Capa / Cidade / ” PAPO DE MÚSICO”… SUCESSOS NO PARQUE

” PAPO DE MÚSICO”… SUCESSOS NO PARQUE

Sucessos são as mais tocados, ouvidas e que vendem bem seus intérpretes, aqueles que têm a aceitação da maioria. Porque em torno deles reúnem-se mais pessoas, vendem-se mais cerveja e movimentam-se os comércios afins. Desse grupo então podemos excluir as chamadas “músicas velhas”, ou artistas e seus “sucessos do passado”. Apesar de que “música velha” não existe; prova é que a cada vez que são tocadas, renovam-se! como o ser humano que a cada dia que acorda fica vivo há mais tempo pelo fato de não ter sido criado apenas para um dia ou um momento.

Há nesse caso apenas a inconveniência de que se aproxima da morte… o que também podemos chamar de velhice, aquela que “deve” ser combatida, em seus “terríveis sinais”, conforme anúncio que vi na TV Canção Nova de uns cremes certamente abençoados lá apresentados entre uma palestra e outra sobre espiritualidade e fé (???). Mas o tempo ainda é o Grande Mestre! o problema é que ele vai matando seus discípulos a cada aula.

Vaidades vencidas, pré conceitos de lado, pisando no mundo de hoje do qual faço parte logo existo, aproveitei dessa época de festas juninas e parques de exposições para refletir. Tentar descobrir o que realmente é “exposto” nos tais parques, além da ampla oferta de bebidas cujos preços até agora nenhum movimento social contestou, roupas novas porém iguais, beleza que em sua metade sai com água e sabão, som nos volumes máximos suportados ou não pelos ouvidos humanos e demais desordens em sua perfeita ordem.

Os “sucessos” que ali se apresentam são, em termos de qualidade, o que de pior pode existir na Música. Mas é a preferência popular; e a voz do povo quase nunca é a voz de Deus… ao que o ateu responderia: “- Graças a Deus!!!…” 99,5% do público ali não tem interesse real no que se toca, em como se toca, quem toca e se ele toca ou dubla um desonesto VS. Pra quem faz música, estuda música e ama música, seu lugar é a mil léguas dali, na contramão e do lado oposto da galáxia. Resta aos músicos empunharem seus instrumentos e acompanharem como freelancer os tais ídolos da nova era. Eu particularmente acho mais prazeroso investir na carreira de chupar parafuso até virar prego ou desmontar meus instrumentos, desde meu teclado Roland até o maravilhoso xique-xique de arroz, pra vender no quilo pro ferro-velho… Mas, por necessidade, toco pra defender algum.

O “músico da noite” é o primeiro a chegar e o último a sair desses tais “parques” (diferente de quem dorme no sofá da sala), e o que vejo me desacredita de que qualquer evento dessa natureza tenha no mínimo 30% de segurança real a oferecer pra quem frequenta. As mensagens das músicas em si são as mais inadequadas em termos de filosofia de vida e desconcertam qualquer formação moral, seja de forma subliminar ou explícita. O povo contenta-se e se sente livre para apreciar qualquer coisa nos grilhões do álcool.

Mas tudo bem, é o que o interior tem a nos oferecer como lazer. Sem nenhuma pretensão de ser politicamente correto, minha pergunta que não cala ainda é: – O que se expõe de verdade nesses parques? Por que não há ali quase nada de cultural, de pluralidade artística? Sei que eu mesmo não gostaria de ouvir a resposta, até porque suponho entender das carências do instinto gregário, da necessidade humana de ver e ser vista no circuito social, custe o que custar. E, finalmente, porque sei que Música também não é; ali vão quase que exclusivamente o luxuoso lixo musical que restou de uma sociedade que não quer investir em cultura como evolução da espécie, porque o capitalismo visa e tem lucro imediato a qualquer custo.

Check Also

PM PRENDE FORAGIDA DA JUSTIÇA NA RODOVIÁRIA DE CARANDAÍ

Por volta das 21 horas desta Quinta (14) , a PM de Carandaí durante patrulhamento pelo …

Um comentário

  1. Quem é o autor do texto?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *