Capa / Cidade / ” PAPO DE MÚSICO” ….MÚSICA PARA VER OU OUVIR?

” PAPO DE MÚSICO” ….MÚSICA PARA VER OU OUVIR?

Admito que sou de uma geração que ouviu música antes de conhecer o artista em si, assim como outros músicos e apreciadores. Não me importava como era a cara dos Zés, de Bethânia, dos Miltons com seus tons e seus sons geniais, de Jackson do Pandeiro, da galera do Led ou do Tião Carreiro… Eu apreciava antes de tudo, cronologicamente, e acima de tudo, artisticamente, as suas obras; seus timbres, melodias, poesias e interpretação.

Aí, deepooois… em algum programa de TV ou nas capas de discos enfileirados nas lojas, conhecia-os e a identificação com eles se firmava ou não; mas nada que desmerecesse meus conceitos já definidos sobre. Fagner, por exemplo, disse em uma entrevista da época que era admirado por ter surgido num cenário musical onde todos começavam a buscar uma identidade visual cada vez mais forte, e ele apresentava-se “apenas de calça e camisa”, com sua voz e sua música. Aos poucos, com a maior adesão da imagem do artista na mídia, pela TV substituindo o Rádio, os visuais começaram por ser pincelados, retocados, modelados por bisturis, empoados e definitivamente formaram a parte principal do esforço e do capricho com que trabalhavam-se os sucessos.

Claro que todo sucesso, pra assim ser ou aspirar, precisa mesmo de produção, seja ela no campo abstrato da arte, no campo técnico da transpiração ou no layout das máscaras. É mesmo necessário pra todos os que pretendem alcançar essas massas ter o seu nome e a sua imagem associados levados mais adiante, ao conhecimento do público alvo. Hoje e sempre as notícias com gravuras do esquartejamento da dor do próximo são mais palpáveis, mais reais, apresentam seu entendimento mais facilitado, seja de uma camada bitolada ou não. Mas chegou ao ponto que isso extrapolou! Antes do “ouvir”, do sentido musical, daquilo que define a música com seus três elementos básicos, Rítmo, Harmonia e Melodia, infelizmente as imagens dos artistas falam mais alto (digo “falam” até porque “cantar” virou detalhe).

Assim facilita-se a produção, pois já não é necessário muita coisa de dom e talento; basta apenas seguir por um caminho de cópias de sucessos prontos, pela mesmice da monocultura que não tem como dar errado! Comprovam isso:

  1. Os chamados MCs que posam ostentando fortunas de invejar sheiks;
  2. os sertanejos universitários; tanto na sua versão de dois play /cowboys de barba aparada ou na versão das duas jovens que pregam revoltas adolescentes diante de amores malfadados e versos de maturidade retrocedida à época do beabá, com vozes roucas e espremidas por suposta cervejada de balada;
  3. os cantores solo que embrenham-se pelo gospel/cowboy de vitrine ou roqueiros gospel poser/metal onde até o silêncio é gravado (!);
  4. os grupos de pagodes sem bandas; e tudo o mais que a mídia produz e investe com seus jabás. Ser conhecido, mostrar por onde toca e divulgar os eventos, tudo isso ficou facilitado com o advento das redes sociais. Ajuda. Extremamente democrática, ela não filtra quem sabe de quem não sabe, quem tem dom de quem apenas tem coragem ou vontade, quem tem voz de quem tem beleza… Daí basta colocar um perfil de músico que interpreta sucessos atuais, mágicos pela aceitação imediatista, que todos somos artistas. E artistas de dois nomes pomposos; operários de uma arte que por essas e outras está desvalorizada, banalizada e desnuda, porque o talento e a genialidade foram trocados por maquiagem e silicone. Hoje, não mais “ouvimos”; quase que apenas “vemos” música.

Check Also

OPERAÇÃO ” DAMA DE ESPADAS” PRENDE CINCO PESSOAS EM CARANDAÍ

A Policia Civil de Carandaí realizou nesta Sexta (18) a operação ” Dama de espadas” …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *