COLUNA TEMPO E PALAVRA “O BRASIL TRABALHANDO CONTRA OS BRASILEIROS”

em Cidade/Destaques Por

 

Antônio Carlos de Albuquerque

George Soros, do partido democrata americano, (tido como megainvestidor), em junho de 2002, profetizou de modo contundente que a vitória de Lula nas eleições daquele ano traria o caos ao Brasil. Tais declarações impactaram de imediato o valor do dólar (de R$2,63 para R$3,55); o risco-país disparou; os juros básicos de 18,5% pularam para 25%; o índice IPCA (meta de inflação) de 0,21% foi para 25%; e a inflação acumulada em um ano, de 7,7% para 10,93%.

Na política interna americana, Henry Hyde, à época, presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara de Deputados, admitia “a chance real da criação do eixo do mal nas Américas pela união de Fidel Castro, Hugo Chaves e Lula”.

Nesse ambiente de desconfiança gerado pela possível derrota de José Serra que, posteriormente, aconteceu, FHC entrou com a estratégia a favor de Lula da Silva.

Quem nos narra em detalhes essa armação? Vem a ser o Professor Matias Spektor (FGV), especialista (doutor em Oxford) em política externa brasileira, em seu livro cujo título é 18 DIAS.

FHC colocou seu ministro da Casa Civil, Pedro Parente, em missão junto à Casa Branca, ao lado de Pedro Malan, ministro da Fazenda, e do homem forte de Lula, senhor Antonio Palocci, com o objetivo de criar um campo favorável de interlocuções para barrar os efeitos da profecia de Soros. FHC sempre contou com o trânsito livre diante do presidente Clinton o que lhe permitia cuidar desse aparato pró-Lula.

FHC teria agido por simpatia ou benevolência à Lula? Spektor responde a indagação, afirmando que a atitude do presidente do Brasil era para salvaguardar o Real tido como o legado relevante do seu governo, embora tenha declarado, também, que havia virado a página da era Vargas. Algo pouco improvável.

José Dirceu, à época, a despeito de afirmar ser socialista, ex-guerrilheiro, amigo de Fidel, cujas qualificações, em tese, nunca seriam digeridas pelos republicanos do governo Bush a ser eleito, visitou bancos, empresas, o Departamento de Estado americano. Aproximou FHC de Lula e foi convidado para reuniões reservadas, a partir de então, com o presidente do Brasil.

Para Bush, FHC era um homem de esquerda e intelectual afetado. Contudo, permitiu ao Lula boa receptividade. Vale dizer que o primeiro período de Lula no governo (2002/2006) coincidiu com o ciclo áureo das commodities e os mercados não foram abalados na prática.

Analisados os fatos 14 anos após, qual o sentido do sistema político do Brasil, das organizações partidárias e suas ideologias?

Em síntese, George Soros, a despeito de ser intérprete dos mercados em 2002, permitiu FHC a tornar-se o facilitador de Lula, pelo trânsito livre que mantinha com Clinton, criando o ambiente favorável das articulações. Lula contou no seu primeiro governo com o mega-ciclo das commodities e os mercados internacionais possibilitaram-no uma governança tranquila.

No período da sucessora, no entanto, após a crise de 2008, o mega-ciclo entrou em declínio e o populismo fiscal foi absurdamente elevado, a corrupção pública e privada foi intensiva e institucionalizada, além do nível de tensão entre os Poderes. Com o sistema político atual fragmentado, a crise de recessão econômica, as organizações partidárias do país e o entendimento das pessoas sobre os partidos políticos e suas ideologias passam a ser objeto de discussão e de análise.

É o que tentaremos problematizar posteriormente, a partir da hipótese de que o atual sistema político no contexto de uma recessão econômica fez do Brasil, entre 2014 e 2018, o país d

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*