COLUNA TEMPO E PALAVRA “REFLEXÕES DA ALMA”

em Cidade/Destaques Por

 

 

Nós, humanos, adquirimos conhecimento em nossa vida pela a educação. O espaço da sala de aula foi feito para nós o transcendermos. Na minha vida, nunca gostei muito de me colocar na turma de trás. Enfim, guardo uma lembrança muito positiva de todos os professores e professoras dos quais fui aluno. Aposentei-me como professor e fiz muitos amigos.

Também adquirimos conhecimento com a experiência. É aquele que adquirimos com a vida, na labuta do dia-a-dia. Na refrega do quotidiano. Muitos dizem, afinal tenho trinta anos de experiência! Mas, cuidado. Pode ser a experiência de um ano apenas repetida trinta vezes.

Como professor, fiz uma experiência com os alunos em sala de aula. Pedi a eles que anotassem em pedacinhos de papel a fórmula química da água. Claro, escreveram corretamente H2O. Peguei um copo e coloquei nele os pedacinhos de papel contendo a fórmula química da água. Ao aluno mais sedento dei-lhe o copo e pedi que tomasse a água para matar a sua sede. Comigo, estava uma garrafa de água mineral. A água desse copo não mata a sede, disse o aluno. Eu quero, retrucou, em seguida: da água desta garrafa de plástico. Qual a moral da história?

A vida é muito mais que a ciência. Ciência vive das hipóteses, teorias, modelos, que a nossa razão pesquisou. Além da ciência, é preciso sabedoria que tem a ver com a arte de viver. A ciência seduz. A virtude encanta. É preciso Ciência com (Cons) ciência.

Pensar é um fenômeno da vida. Instruir sem educar é roubar ao espírito a vida. Filosofia, arte, política, moral, cultura, a sociedade, as crenças, as instituições, tudo, tudo é colocado em discussão. Nessa trajetória, torna-se difícil encontrarmos um porto seguro.

Semana passada estive em Carandaí. Choveu o dia todo, a noite toda. À noite, olhava o Cruzeiro iluminado. Estava só no jardim. Também não me encontrei com ninguém. Os vagões na linha férrea passavam de meia em meia hora. Restou-me o amor que ficou. A ausência assimilada ninguém rouba de mim. Existe dentro de nós um presépio. Na manjedoura dorme uma criança. O nome dela é o nosso.

Feliz Natal!

Antonio Carlos de Albuquerque

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*